sábado, 27 de fevereiro de 2016

Hanseníase
Detalhes
 Criado: 27 Março 2014
A hanseníase é uma doença crônica, infectocontagiosa, cujo principal agente etiológico é o  Mycobacterium leprae (M. Leprae). Esse bacilo tem a capacidade de infectar grande número de indivíduos (alta infectividade), no en­tanto poucos adoecem (baixa patogenicidade). Estas propriedades não ocorrem em função apenas de suas características intrínsecas, mas dependem, sobretudo, da relação com o hospedei­ro e o grau de endemicidade do meio, entre outros aspectos.
A doença atinge pele e nervos periféricos podendo levar a sérias incapacidades físicas. O alto potencial incapacitante da hanseníase está diretamente relacionado ao poder imunogênico do M. leprae. A hanseníase parece ser uma das mais antigas doenças que acomete o homem. As referências mais remotas datam de 600 a.C. e procedem da Ásia, que, juntamente com a África, são consideradas o berço da doença. A melhoria das condições de vida e o avanço do co­nhecimento científico modificaram o quadro da hanseníase, que há mais de 20 anos tem tratamento e cura. No Brasil, no período de 2007 a 2011, uma média de 37.000 casos novos foram detectados a cada ano, sendo 7% deles em menores de 15 anos.
A hanseníase é uma doença de notificação compulsória em todo o território nacional e de investigação obrigatória. Os casos diagnosticados devem ser notificados, utilizando-se a ficha de notificação e investigação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação/Investigação.
                              
Agente etiológico
M. leprae é um bacilo álcool-ácido resistente, em forma de bastonete. É um parasita in­tracelular obrigatório, uma espécie de micobactéria que infecta nervos periféricos, especificamente células de Schwann. Esse bacilo não cresce em meios de cultura artificiais, ou seja, in vitro.

Reservatório
O ser humano é reconhecido como a única fonte de infecção, embora tenham sido identifi­cados animais naturalmente infectados – o tatu, o macaco mangabei e o chimpanzé. Os doentes com muitos bacilos (multibacilares-MB) sem tratamento – hanseníase virchowiana e hanseníase dimorfa – são capazes de eliminar grande quantidade de bacilos para o meio exterior (carga bacilar de cerca de 10 milhões de bacilos presentes na mucosa nasal).

Modo de transmissão
A hanseníase é transmitida principalmente pelas vias respiratórias superiores de pacientes multibacilares não tratados (virchowiano e di­morfo), sendo, também, o trato respiratório a mais provável via de entrada do M. leprae no corpo.

Período de incubação
A hanseníase apresenta longo período de incubação; em média, de 2 a 7 anos. Há referências com períodos mais curtos, de 7 meses, como também a mais longos, de 10 anos.

Período de transmissibilidade
Os doentes com poucos bacilos – paucibacilares (PB), indeterminado e  não são considerados importantes como fonte de transmissão da doença devido à baixa carga baci­lar. Os pacientes multibacilares, no entanto, constituem o grupo contagiante, assim se mantendo como fonte de infecção, enquanto o tratamento específico não for iniciado.

Suscetibilidade e imunidade
Como em outras doenças infecciosas, a conversão de infecção em doença depende de intera­ções entre fatores individuais do hospedeiro, ambientais e do próprio agente. Mas na hanseníase o estado de infecção ainda não foi claramente estabelecido. A história natural da doença mostra que existe uma forma de alta resistência à infecção pelo  bacilo, hanseníase  HT, na qual há manifestações em relação a exacerbação da resposta imunecelular, com limitação de lesões,  formação de granuloma bem definido e destruição completa dos bacilos. Mas também pode ocorrer a forma de alta suscetibilidade, hanseníase virchowiana - HV, onde ocorre uma deficiência da resposta imunecelular, com excessiva multiplicação de bacilos e disseminação da doença para o tecido nervoso e vísceras. Entre estas duas formas polares, estão as formas instaveis da doença:  hanseníase dimorfa - HD, podendo permanecer como dimorfa  ou apresentar características tuberculoide   ou virchowiana.
Na hanseníase virchowiana além da deficiência imunológica celular observa-se a exacerbação e especificidade da resposta humoral. Observa-se que os pacientes com a forma virchowiana e dimorfos  apresentam no curso da evolução da doença, altas concentrações de anticorpos específicos ao M. leprae no soro, como o anti PGL-1, associados à depressão da imunidade celular.  
A eficácia da resposta imune é feita por células capazes de fagocitar a bactéria e destruí-la, apresentado apenas pela sua fração antigênica - macrófagos, através do complexo principal de histocompatibilidade - MHC.         
Devido ao longo período de incubação, a hanseníase é menos frequente em menores de 15 anos, contudo, em áreas mais endêmicas a exposição precoce, em focos domiciliares, aumenta a incidência de casos nessa faixa etária. Embora acometa ambos os sexos, observa-se predominância do sexo masculino.

Ministério da Saúde
Esplanada dos Ministérios Bloco G
Brasília-DF / CEP: 70058-900 
Telefone: (61) 3315-2425

Copyright © 2016 Portal da Saúde – Ministério da Saúde – www.saude.gov.br. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre com licença GNU/GPL v2.0

Conheça um pouco da nossa história com a Hanseníase

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016


Sejam bem vindos!!

O Projeto Hansenpontocom é uma organização social de pesquisa e projetos sociais, com o objetivo de trazer à sociedade, as questões que envolvem a Hanseníase, doença milenar, pouco conhecida na sua etimologia e patologia, mas muito lembrada e "conhecida" pelo preconceito que a acompanha.

Se usarmos o termo lepra, voce saberá de que doença estamos falando. Entretanto, em meios de comunicação e em público, por meio de lei de 2005, é proibido usar esta palavra, para que se evite a estigmatização.

Infelizmente as pessoas conhecem a Hanseníase pelo preconceito que ela carrega, mas não conseguem perceber que pessoas, seres humanos foram ou estão doentes e precisam de nosso apoio, já que ela tem cura e o tratamento é gratuito. Mas falar é fácil! A vida de toda a família do paciente sofre uma transformação social que precisa ser amparada.

E entre as décadas de 20 a 80 do Século Passado, não era assim. Por exclusiva falta de políticas públicas, a Hanseníase vitimou milhares de brasileiros, que foram caçados nas ruas por uma "Polícia Sanitária" e jogados em colônias distantes dos centros urbanos. Familiares, bens pessoais, empregos, tudo foi deixado para trás e esquecido. Trancados nas colônias, estes doentes viviam uma separação injusta e desumana, inclusive com seus próprios filhos, que também foram jogados em orfanatos que chamavam de preventórios ou educandários e nunca mais se viam. E os pequeninos que acabam por nascer dentro destas colônias, eram retirados imediatamente do convívio da mãe, ali mesmo, no parto, separando vidas e destinos.

Aqui está nosso trabalho: reunir toda a história novamente e quem sabe, reunir, aproximar familiares biológicos que nunca se conheceram ou se perderam nestes confinamentos irresponsáveis e ditatoriais. Legislaram a vida de milhares de brasileiros na pior forma possível.

Fundado em novembro de 2014, o Projeto Hansenpontocom quer a sua parceria por meio deste blog, acompanhando nosso trabalho, sugerindo investigações ou simplesmente respeitando nossa luta para refazer caminhos que foram trincados.

Estamos aqui pra servir.
Teresa Oliveira