quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

O que desaprendi

Nesta caminhada maluca pelas questões da Hanseníase, que para mim só começaram em 2002, juro que eu pensei que tudo era de verdade, que as pessoas estavam mesmo empenhadas em resolver e trabalhar para que a doença fosse eliminada e que os abraços e beijos dados nos pacientes, ex pacientes e até em nós, filhos separados ou mesmo os filhos e familiares que hoje podem conviver com os doentes, fossem demonstrações sinceras de afeto e até de reconhecimento pela jornada despedaçada que nos obrigaram experimentar com o Isolamento Compulsório.
Não era.
Depois de tanto tempo, meu coração começa a perceber e a sentir que tudo é mentira, é uma farsa, é um embuste.
Na maioria das vezes é só pra cumprir horário, obrigações profissionais, nada mais do que um trabalho, afastado completamente da compreensão de que a Hanseníase foi e ainda é uma doença de negligências, de afagos, de distanciamento.
Até naquelas pessoas que, como eu, sofreram consequências diretas em suas vidas pessoais, seja por ter estado doente, seja por ser filho de doente, enfim, por qualquer motivo, percebo que, ao estarem trabalhando nisso, absorvem a personalidade do esquecimento e arquivam sua condição de participante do caos para profissional do futuro. Demonstram que nunca foi com eles, nunca será com eles e estão ali porque a proximidade com a doença os levou a isso, nada mais.
Me pergunto sempre porque antes de eu começar a mexer neste vespeiro, ninguém se preocupou com os prontuários mal arquivados nos educandários; ninguém olhou ou fez algum projeto para ser aplicado na desospitalização nos anos 60, ninguém sugeriu saber como vivem os idosos remanescentes das ex colônias; ninguém brigou por terras, ofereceu uma satisfação sobre bens dos que foram jogados nelas; ninguém quis aproximar famílias que haviam sido separadas.
E também me pergunto por que seria eu a fazer isso?
Enquanto considerei ser uma missão, fiz o que pude.
Rasguei minha vida para estar dedicada a passar a limpo as histórias.
Mas hoje eu desaprendi.
Não serei como a maioria.
Mas permanecerei trabalhando em silêncio e em solidão, porque jamais poderei ser duas pessoas como muitos desejam e jamais poderei tirar de minha alma o que meu sangue faz borbulhar dentro do meu peito: justiça.
Teresa Oliveira



segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

No dia 30 de novembro, o Hansenpontocom abriu sua agenda e instalações para que nosso jurídico pudesse atender alguns familiares de ex pacientes de Hanseníase para informações jurídicas, entregas de documentos, entrada de ações.
Foi uma tarde de missão cumprida, onde reafirmamos nosso comprometimento com atos sérios e que efetivamente irão somar na vida de todos nós.
Agradeço à parceria do escritório  Azarias & Cunha.















sábado, 2 de dezembro de 2017

ATIVIDADES DE 2017
(prestando contas do nosso trabalho)
16 fev: Ministério Público Estadual com filhos separados
21 fev: Divisão de Hanseníase - SES
05 mar: Itobi com filhos separados
06 abr: Ministério Público Estadual
26 abr: Ministério Público Estadual
17 mai: Encontro Avaliação Divisão de Hanseníase
18 mai: Encontro Avaliação Divisão Hanseníase
20 jun: Ministério Saúde - Brasília
21 jun: Ministério Saúde - Brasília
22 jun: Ministério Saúde e Supremo Tribunal Federal (protocolado pedido de indenização filhos separados) - Brasília
23 jun: Ministério Saúde - Brasília
31 jul: Divisão Hanseníase, Ministério Público Estadual e Arquivo Público do Estado de São Paulo
19 ago: Ordem de São Lázaro de Jerusalém - Cátedra de Hanseníase
21 ago: Fundação Paulista contra a Hanseníase
12 set: Divisão de Hanseníase
19 set: OAB Jabaquara a convite
10 out: Ministério da Saúde - GT Comunicação - Brasília
13 out: Equipe jurídica Hansenpontocom - início dos trabalhos para processos indenizatórios
22 a 29 out: Ministério da Saúde - Projeto - Gurupi - Tocantins
30 nov: Divisão de Hanseníase e Processos Indenizatórios
O que foi executado:
- Encaminhamento junto ao Ministério Público Federal com a coordenação da Divisão de Hanseníase na preservação dos documentos dos filhos separados do Estado de São Paulo.
- Início da Cátedra de Hanseníase na Ordem de São Lázaro de Jerusalém com universidades nacionais e internacionais
- Ação indenizatória individual dos filhos separados
- Parcerias com BRASA e DAHW para execução do Projeto ASA
- Atendimentos a pacientes de Hanseníase em situação de recidiva.
- Orientações diárias.



Mais um ano terminando.
Quero muito agradecer aos meus parceiros de sempre: Linda, Kézia e Eliezer.
Sem palavras para agradecer o quanto são importantes para que este trabalho possa seguir.

ATIVIDADES DE 2017
(prestando contas do nosso trabalho)
16 fev: Ministério Público Estadual com filhos separados
21 fev: Divisão de Hanseníase - SES
05 mar: Itobi com filhos separados
06 abr: Ministério Público Estadual
26 abr: Ministério Público Estadual
17 mai: Encontro Avaliação Divisão de Hanseníase
18 mai: Encontro Avaliação Divisão Hanseníase
20 jun: Ministério Saúde - Brasília
21 jun: Ministério Saúde - Brasília
22 jun: Ministério Saúde e Supremo Tribunal Federal (protocolado pedido de indenização filhos separados) - Brasília
23 jun: Ministério Saúde - Brasília
31 jul: Divisão Hanseníase, Ministério Público Estadual e Arquivo Público do Estado de São Paulo
19 ago: Ordem de São Lázaro de Jerusalém - Cátedra de Hanseníase
21 ago: Fundação Paulista contra a Hanseníase
12 set: Divisão de Hanseníase
19 set: OAB Jabaquara a convite
10 out: Ministério da Saúde - GT Comunicação - Brasília
13 out: Equipe jurídica Hansenpontocom - início dos trabalhos para processos indenizatórios
22 a 29 out: Ministério da Saúde - Projeto - Gurupi - Tocantins
30 nov: Divisão de Hanseníase e Processos Indenizatórios
O que foi executado:
- Encaminhamento junto ao Ministério Público Federal com a coordenação da Divisão de Hanseníase na preservação dos documentos dos filhos separados do Estado de São Paulo.
- Início da Cátedra de Hanseníase na Ordem de São Lázaro de Jerusalém com universidades nacionais e internacionais
- Ação indenizatória individual dos filhos separados
- Parcerias com BRASA e DAHW para execução do Projeto ASA
- Atendimentos a pacientes de Hanseníase em situação de recidiva.
- Orientações diárias.
Teresa Oliveira